Fórum destinado a divulgação e composição do RPG - Naruto ''Shinobi no Sho'' - Sistema D8
 
InícioPortalFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Menu
CSS MenuMaker
Últimos assuntos
» Apresente-se
Sex 25 Ago 2017, 23:48 por George Firefalcon

» Episódio 49 | A Reunião
Dom 06 Ago 2017, 19:15 por Fësant

» Dúvidas do Sistema
Ter 01 Ago 2017, 11:33 por Fësant

» Episódio 46 | Ou Himitsu?
Seg 26 Jun 2017, 02:57 por Fësant

» Episódio 48 | Encontros Esperados
Sab 24 Jun 2017, 18:09 por Inozaki

» Episódio 47 | De volta a Konoha
Seg 12 Jun 2017, 14:46 por Fësant

» Episódio 45 | Shu
Seg 12 Jun 2017, 14:19 por Fësant

» Episódio 44 | A Aliança
Seg 12 Jun 2017, 14:11 por Fësant

Parceiros

Licença
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Compartilhe | 
 

 Episódio 31 | Nova Espionagem

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Fësant
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 1668
Data de inscrição : 23/06/2009
Idade : 28

MensagemAssunto: Episódio 31 | Nova Espionagem   Sex 10 Jun 2016, 23:32

Hakuro ainda enfrentava suas próprias dificuldades, combatendo dois inimigos ao mesmo tempo. Hakuro notava que havia um certo desgaste nos mesmos, principalmente no que estava mais ferido, mesmo não tendo ocorrido tanto tempo de combate. A habilidade que os deixava mais fortes parecia ter um custo alto. A despeito disso, seguiram atacando. O mais ferido tentou um novo soco, enquanto o outro girou o corpo mais uma vez, fintando um chute baixo e depois partindo para um chute alto.

Hakuro arqueou o corpo, esquivando do primeiro soco com facilidade. Quanto ao segundo, deixou-se ser fintado, tal como o inimigo queria. O chute alto acertou seu rosto, desnorteando-o temporariamente e fazendo cambalear para a esquerda. Àquela altura, o Jinchuuriki pensava que já era hora de chegar o grupo de apoio que Jouichirou iria enviar. Eles estavam atrasados, miseravelmente. A conclusão lógica levaria a crer que algo poderia ter ocorrido no meio do caminho. A ajuda talvez não fosse chegar para a dupla de ninjas.


Abertura




O combate, embora sofrido, não havia acabado. A raposa estava inteiramente na defensiva, mas longe de dar-se por vencida - seus olhos, agora mais ágeis devido à adrenalina, iam de lado a lado acompanhando os movimentos de seus adversários. A lâmina que segurava estava banhada em sangue, extremamente frágil pelo uso constante nas últimas lutas. Assim que recebeu o golpe, o Jinchuuriki deu alguns passos e por fim recobrou consciência, imediatamente contra-atacando. Seu corpo se impulsionou para frente, quase num salto curto - o vermelho da lâmina cortou o ar num arco que deixou rastro pela área que passou, porém súbitamente alterou trajeto quando o Sarutobi saltou curto afim de rodopiar num segundo ataque que visava rasgar a garganta de seu inimigo mais fragilizado!

O movimento elaborado de Hakuro foi bem executado, e o inimigo não conseguiu prever que o primeiro ataque foi uma mera isca para conectar um segundo. No entanto, o punho do Jinchuuriki se moveu num trajeto ligeiramente mais baixo do previsto. A lâmina rasgou a parte superior do tórax do alvo, fazendo mais uma vez seu sangue jorrar. O corte foi profundo, mas não o suficiente para matá-lo ainda, e abaixo do ponto vital alvejado pelo Sarutobi.

Mas parece que a investida teve um efeito adicional, não esperado por Hakuro. Aquele inimigo estava fadigado em demasia pelo uso da sua habilidade especial desconhecida. Estava ofegante, e as manchas negras que cobriam sua pele foram progressivamente regredindo, deixando-a limpa tal como era no início do confronto. Apesar disso, o oponente não recuou: forçou o corpo para frente num chute giratório, mas quando a perna direita parecia mirar o peitoral do Jinchuuriki, a rotação do corpo do atacante prosseguiu, surgindo um novo chute giratório mais alto, buscando a cabeça. Contudo, o chute acabou saindo alto demais, e Hakuro só precisou abaixar-se para evitar o golpe.

Ainda havia o outro oponente, que se projetou para frente, num soco que parecia estar carregado com toda a sua força e peso. Entretanto, assim como ocorreu na primeira vez, o Jinchuuriki mantinha-se completamente atento ao combate, esquivando-se do ataque ao dar meio-passo para trás.

Enquanto isso, um novo ator naquela cena de combate se esgueirava, movendo-se furtivamente por trás das diversas rochas que cercavam o combate de batalha, esperando o momento certo para sua entrada. Era um Anbu, com as roupas características de um, cabelos loiros e uma máscara que continha o símbolo de Konoha. Os combatentes que lutavam até então desconheciam completamente a presença daquela nova pessoa, tal como sua possível afiliação. Seria aliado de Jouichirou ou subordinado de Masayoshi?

O shinobi, mantendo-se atrás de uma rocha, observava o desenrolar da luta. Parecia estar ali há pouco tempo, como se tivesse tido certa dificuldade em encontra-los. Analisando o estado dos inimigos, não demorou para decidir aquele que iria atacar. Sem as menores cerimônias, realizou alguns selos rápidos, conforme dava início a um de seus característicos jutsus. Tendo em mente o ninja menos desgastado e afetado pelo combate, forçou uma simples - porém eficiente - ilusão, que em caso de sucesso o faria enxergar Hakuro assumindo a forma de uma raposa alaranjada e incandescente, prendendo-o com uma de suas inúmeras caudas. "Acho que é assim que ela se parece."

O alvo a ilusão começou a agir de forma estranha, berrando, horrorizado. Movia os braços de cima para baixo de forma consecutiva, como se tentasse empurrar alguma coisa invisível para baixo. Hakuro observava a cena, e logo concluiu que alguém havia utilizado um genjutsu naquele inimigo, mas quem?

Seja lá o que havia ocorrido, havia sido para o benefício do Jinchuuriki. Os olhos escarlates de Hakuro cintilaram com ainda mais força diante de sua chance de vitória - num movimento rápido, então, sua figura se deslocou com grande agilidade contra o moribundo oponente. O vulto do Sarutobi distorceu-se de repente no meio do caminho, desaparecendo afim de confundir o shinobi; quando ressurgiu, a lâmina vermelha de sua espada irrompeu uma lufada de ar com toda a força que a dirigiu em linha reta para cima, visando cortar o oponente em dois! A raposa, embora aparentemente inocente, havia sido treinada num âmbito de assassinos e, como tal, não hesitava em tirar uma vida.

O inimigo tentou esquivar no último minuto, inutilmente. Ao menos, sua reação de tentar se mover para o lado e esquivar salvou sua vida, mas não seu corpo. A lâmina do Jinchuuriki desceu com precisão e força, cortando fora o braço esquerdo do inimigo, que berrou de dor, alucinado. A espada de Hakuro ficou ainda mais suja de sangue, e nem suas vestes escaparam de serem tingidas de rubro. O Anbu oponente caiu de joelhos, urrando, até que a dor e a hemorragia levaram fora sua consciência, e ao desmaio.

Os pés se elevaram e, então, desceram direto na cabeça do oponente caído, o fazendo de trampolim para o ataque contra o segundo feito se pisa em um saco de lixo! A raposa vôou numa velocidade inigualável contra o oponente que havia sido pego pela ilusão. Sua espada rugiu novamente, já banhada em sangue o suficiente para que o movimento em arco formasse um rastro rubro na grama. O corte foi direto contra o pescoço do ANBU, mais uma vez, visando tirá-lo permanentemente deste mundo.

Quando Hakuro voou contra o inimigo que ainda vivia, o mesmo pareceu despertar da ilusão que o prendia bem antes do Jinchuuriki desferir seu ataque, e conseguiu reagir a tempo numa esquiva de última hora. Moveu o corpo para o lado, evitando a espada que o pretendia ferir.

Ainda assistindo a luta, o shinobi oculto visualizava uma forma de continuar dando o suporte para Hakuro. Recorrendo novamente ao uso de seus genjutsus, usou como alvo o mesmo de antes - e desta vez o único inimigo em pé - e fez o mesmo acreditar que caudas de raposa alaranjas, iguais às de anteriormente, saíam do solo e prendiam todos os seus membros, limitando-o fortemente. Desta forma, poderia manter a ilusão por mais tempo, sem correr o risco de ela ser cancelada tal como foi ainda há pouco.

Hakuro notou que seu oponente foi novamente pego em um genjutsu, passando agir de maneira desconexa com a realidade, movendo os braços e pernas de um lado para o outro, como se algo os estivesse prendendo.

A cena que se desenrolou tornava-se cada vez mais peculiar. O Jinchuuriki não sabia que aliado o havia ajudado, mas estava grato pela mão amiga - dando alguns passos para trás, Hakuro afastou-se e por seguinte estendeu as mãos diante do corpo. Os selos formados rápidamente se acumularam e culminaram em um gesto de mão final - nesse instante, o Sarutobi respirou fundo e, ao assoprar com força, preencheu o espaço ao redor de seu oponente numa névoa acinzentada: — Katon: Katon: Haisekishō! — Com um estalar simples de dedos, por fim, tudo explodiu. As laterais da névoa queimaram primeiro, seguindo em ritmo rápido até seu centro como se cada partícula formasse uma trilha de pólvora. Quando tudo terminou de queimar, então, o ar ao seu redor se implodiu e explodiu, gerando uma labareda de tamanho considerável.

O Sarutobi gradativamente se tornava um especialista naquela técnica, conseguindo cada vez efeitos mais poderosos. Desta vez, não foi diferente. As chamas consumiram todo o corpo do inimigo que estava novamente preso no genjutsu e nada pôde fazer. Sua pele sofreu queimaduras de grau incalculável, ao passo em que suas vestes praticamente viraram cinzas, deixando-o quase nu. Sem forças, caiu ao chão. Ao seu lado, o corpo do Anbu com o braço decepado jazia já sem vida. Ele não sobreviveria muito tempo com um ferimento tão grave e com hemorragia. Mesmo assim, não teve qualquer outra escolha, uma vez que também foi engolido pelo Haisekishō, que deixou sob seu corpo uma grande marca de sangue evaporado.

Vendo que a batalha finalmente havia tomado o rumo desejado, o shinobi pareceu relaxar por um pouco, embora ainda tivesse muito o que fazer ainda, mesmo naquela situação. Tirando a máscara, ficou nítido que estava incomodado com ela, como se a tivesse usando há muito pouco tempo.  Logo em seguida, uma vez com a face descoberta, ficou evidente de que tratava-se de ninguém menos que Yamanaka Inozaki. — Me pergunto quando vou me acostumar a isso. — Sussurrou pra si mesmo, conforme colocava o objeto de seu disfarce novamente. De uma maneira não tão silenciosa, embora calma e passiva, saltou para perto de Hakuro, mantendo uma pequena distância, como sinal de que não estava ali como ameaça. Fitando-o de cima a baixo, como se achasse diferente encontrar alguém especial assim, visto que tratava-se de um Jinchuuriki, logo foi pronunciando-se, fazendo uso de seu habitual tom harmônico. — Sarutobi Hakuro, fui eu que o auxiliei durante o combate. Estou aqui a mando de Gin, para encontrar Jouichirou e lhe entregar uma mensagem. Soube que o procura também, então decidi me juntar a você. Sou Hirei, um Anbu de Konoha, recente na organização entretanto. — Erguendo a mão, revelou uma parte do envelope em que se encontrava a mensagem, fazendo de maneira que desse pra parecer que estava falando sério. Afinal, numa comum capacidade de 'jogar' por mais de um lado, ele estava ali em uma missão mais secreta do que aparentava. Os seus objetivos, ainda assim, não tinha determinado ainda, embora tivesse a obrigação de olhar de perto o portador da Kyuubi e relatar a Omeshirama como requisitado. — Embora eu seja novo na Anbu, acredito que possa auxilia-lo bastante no futuro, Hakuro-san. — Não precisava dizer mais nada, visto que toda a propaganda necessária já havia sido feita na própria luta, onde deu o seu suporte com ilusões pelas sombras. A ideia de se juntar a um Jinchuuriki, entretanto, parecia ter despertado mais interesse que o normal em Inozaki, que começava a cogitar várias decisões além das ordenadas por seu superior.

Tudo parecia seguir conforme o planejado, e Hakuro respirava mais aliviado após sair de uma situação um tanto quanto desesperadora. Brandindo sua arma contra o ar, então, varreu com a força do vento o sangue que respingava de sua ponta; uma trilha se formou no chão. O Jinchuuriki permanecia extremamente irritado com a situação na qual havia se envolvido e, para piorar, parecia ainda ter de lidar com dois outros adversários - sua sorte, porém, era haver um aliado oculto por ali. O Shinobi cogitou iniciar investida contra o espadachim traidor, mas no instante em que seus músculos se flexionaram, o surgimento de Inozaki o freiou. A raposa ouviu atenta às palavras do rapaz e, naquele instante, não procurou raciocinar além do necessário: — Devido a experiências recentes, me desculpe se não confiar em você com muita facilidade. Por hora, pelo menos, parece estar do meu lado ... é o bastante, por enquanto. O controlador deve ser mantido vivo, o outro não me interessa. — Os dedos da mão esquerda de Hakuro - que estava livre - estalaram-se de repente, num movimento no mínimo estranho e contorcido. A batalha estava prestes a continuar.


Última edição por Fësant em Qua 26 Out 2016, 13:54, editado 3 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://naruto.sistemad8.com
Fësant
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 1668
Data de inscrição : 23/06/2009
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Episódio 31 | Nova Espionagem   Sex 10 Jun 2016, 23:35

(...)

Carregando as experiências que havia adquirido com as batalhas e os treinos, Ashiro eliminava o corpo daquele homem, revelando-se ser uma réplica, coisa que não surpreendia o espadachim. Contudo, ele se viu então numa situação que era até inesperada para ele, um ataque em seu ponto mais fraco, algo que já estava debilitado por eventos anteriores, sua mente! Ashiro sentiu seu corpo parar, rapidamente, entrou em desespero. Parecia não haver corpo, enquanto que sua mente ainda era racional ao ponto de notar tal anomalia. Seus pulsos cardíacos pareciam dessincronizados com o próprio corpo, quando então, escutou aquela voz em sua mente. Ashiro queria rangar seus dentes e esboçar sua expressão de fúria, porém, seu corpo já não estava mais sobre seu domínio. Ele tentou resistir, obviamente, sem sucesso. Ashiro parecia se encontrar em um plano infinito, um plano com sua própria consciência, esta que estava bagunçada. Sem entender nada do que ocorria do lado de fora, Ashiro se preocupou, tentando encontrar uma maneira de reverter a situação.

O espadachim tentava de todas as maneiras resistir, tomar de volta o controle de seu corpo e expulsar a mente alheia que dominava a sua. Contudo, parecia que todo esforço era em vão. E como se não bastasse, o Anbu inimigo ainda o fez correr contra sua vontade, se dirigindo até onde Hakuro lutava sozinha contra dois oponentes. Ashiro queria reverter a situação, impedi-lo. Mas não sabia como.

"Você é realmente é bem atlético Ashiro. Nunca conseguiria correr desse jeito em meu próprio corpo. É uma pena, mas é fim de jogo para você. Só terá de volta seu corpo novamente depois que eu acabar com aquele Jinchuuriki fujão, que por sinal era pra ser uma tarefa sua. A propósito, fiquei decepcionado. Não pensei que seria tão fácil manipular você. Masayoshi-sama tinha razão: Karin é seu ponto fraco." O inimigo conversava em pensamento com a mente sobrepujada do Espadachim, que não tinha outro remédio senão ouvir. "Você foi um tolo. Nunca iríamos fazer algo àquela mulher. Nem encostamos um dedo nela. E ainda sim você está prestes a perder a vida, após eu terminar essa missão. Você errou por ela e nunca mais a verá novamente, seu tolo."

O ANBU se encontrava totalmente perdido agora...O que ele poderia fazer para se livrar da técnica inimiga ? Ele sequer imaginava uma opção viável...Ele ainda parecia acordado, de alguma maneira, como se estive em um plano infinito sem controle de seu corpo. O espadachim fazia de tudo para tentar recobrar o domínio de seu próprio corpo, mas todo o esforço que esboçava para tal ato era em vão...Ele se viu sem saída, até que então, sentia um aperto no peito com as palavras daquele que lhe controlava. Aquela dor parecia aumentar exponencialmente, tanto, que Ashiro, mesmo sem controle de seu corpo, parecia sentir tudo aquilo...Era sua raiva...Seu ódio mais puro por estar escutando a mais cruel verdade. Realmente, errou, mas não se arrependeu. Figurativamente ele apertou seu peito, como se quisesse guardar aquela dor para si mesmo...Aquela dor que posteriormente poderia vir a ser sua redenção. Ashiro sentia uma raiva que já havia se manifestado momentos atrás quando a verdade sobre o líder da ANBU lhe foi dita, porém, desta vez, veio à tona de uma maneira muito mais expressiva, mais agressiva pela a maneira direta com que aquele aliado de Masayoshi lhe provocava. Pelo menos, um resquício de alegria foi manifestado por Ashiro, um suspiro em sua alma por saber que Karin estava realmente bem... "Não tocaram nela...É realmente bom ouvir isso."  Respondeu mentalmente, caso fosse possível...Apesar da resposta aparentemente tranquila, Ashiro estava para explodir de raiva. O ódio profundo pela a afirmação do membro da ANBU NE...O espadachim somente queria provar que veria Karin novamente...Desta vez, com essa imagem clara em mente, resistiu à técnica do ninja, como quem estivesse para se libertar de várias correntes de aço. Ele tentou quebrar uma por uma, usando de combustível um turbilhão de fúria que somente se intensificava à medida com que o espadachim ficava remoendo tais sentimentos negativos.

Foram apenas alguns instantes, pouco mais de um único minuto, mas pareceram uma eternidade para jovem Anbu. Contudo, ao saber que sua querida estava bem, uma força de vontade inexplicável tomou conta do rapaz. Ele decidiu não sucumbir, não ali, não enquanto não pudesse ver Karin novamente. E o desejo forte de Ashiro foi maior que o controle de seu inimigo que, surpreso, parou de se mover.

"Mas que... que diabos! Não consigo me mover... não consigo sequer mexer um dedo... Não é possível que esse cara tenha tanta força mental assim!" Ashiro mal ouvia os pensamentos do inimigo. Sua concentração estava tamanha que não havia nada em sua mente além da imagem de sua amada, e o desejo por ela. De início, foi capaz somente de paralisar o corpo, impedindo o domínio total dele. Mas insistiu, perseverou. E segundos depois, a consciência de Ashiro voltou ao seu corpo. O inimigo estava expulso de sua mente.

Pouco a pouco, ia recuperando-se do desnorteamento e percebendo como a situação de combate havia mudado drasticamente desde a última vez que tinha sua visão intacta. Os dois Anbu que lutava contra Hakuro estavam caídos ao chão, um extremamente ferido, e o outro totalmente carbonizado. Ao lado do Jinchuuriki, havia um outro Anbu, desconhecido. Estava parado próximo ao Sarutobi, sem intenções ofensivas, o que indicava que poderia ser um aliado. Por fim, ao olhar 10 para trás, viu o último inimigo de pé, terminando de se levantar, justo aquele que tentou dominar seu corpo.

Uma enorme barreira imensurável estava à frente de Ashiro, porém, adiante desta estava Karin. Ele não podia desistir, ele se negava. Seu corpo podia ruir, sua mente entrar em colapso, porém, não iria recuar. Concentrou-se de tal forma que a raiva que era liberada mantinha o espírito do espadachim intacto e firme, enquanto que sua serenidade natural dosava a fúria necessária para se manter calmo, para quebrar aquele controle...Tudo o que o ANBU imaginou foi sua amada e tudo o que seria necessário para sair do controle daquela técnica, até que então, conseguiu parar seu corpo... Não fraquejou, apenas intensificou o esforço realizado para então, por fim, expulsar de uma vez o inimigo, como se o espadachim estivesse imaginando figurativamente a quebra de todas as correntes que o aprisionavam naquele plano. Ele respirou aliviado, contudo, estava com uma respiração intensa, assim como também suava frio. Abriu os olhos e checou toda a cena, esta que havia mudado drasticamente desde a última vez que se lembrava da mesma...Observou o Jinchuuriki e aquele que estava ao lado dele, como se fosse um aliado dado todos os dados, mas ainda assim, Ashiro desconfiou. Então, encontrou aquele que lhe controlava, o encarou, então, sacou sua arma, uma fio prateado que se formava no ar com os movimentos rápidos do espadachim ao mostrar esta.  — Eu vou vê-la novamente!  — Ashiro impôs um tom forte em sua frase, algo que não lhe era comum, porém, eventos anteriores já haviam afetando todo o psicológico do espadachim, aquela era somente uma maneira dele jogar toda aquela raiva para fora. Observou o Jinchuuriki e aquele que estava ao seu lado mais uma vez, virando o rosto sutilmente de lado...Então, voltou a encarar o último da ANBU NE que restava. Ashiro então partiu em velocidade ao encontro deste, deixando para trás somente a imagem atrasada de seu corpo que se desfazia pela a velocidade do jovem. O objetivo era aplicar um corte severo, mas não letal, no tórax daquele ninja.

O agora denominado como Hirei pouco havia se movido desde que chegou ao campo de batalha. Fazendo nada mais do que assistir e causar ilusões à distância, parecia querer permanecer desta forma por enquanto aquela luta perdurasse. Assistindo ao último inimigo levantar-se, sequer hesitou na realização de seus selos, dando início a uma forte técnica ilusória na mente da vítima. Se esta fosse bem-sucedida, ele teria todos os seus sentidos confusos, como resultado de uma bola de fogo o atingindo que somente ele conseguiria enxergar, ficando levemente atordoado.

A katana de Ashiro rasgou o peito do Anbu inimigo, pintando o ar de vermelho conforme o sangue do mesmo lhe vazava do corpo. O espadachim notara que seu alvo estava consciente, mas completamente incapaz de agir por uma força maior.

Já preparado para assumir a fronte de batalha, Hakuro viu naquela situação uma oportunidade. Seu corpo, aquecido e empapado em sangue, correu numa linha reta contra seu oponente. O vulto do rapaz cortou pelo lado de Ashiro e não se pôde ver mais que sua lâmina rubra batendo contra o alvo, num corte reto e horizontal que visava arrancar sua cabeça e exterminá-lo sem dó - Hakuro havia passado do ponto em que teria o mínimo de misericórdia e, numa análise fria, decidiu que seria melhor manter o outro inimigo vivo, pois um controlador de mentes seria difícil de manter em cativeiro.

O espadachim havia acertado o ANBU NE, este que parecia estar sobre efeito de alguma coisa exterior, devido à ausência de reação deste. Observou, antes que pudesse fazer mais nada, o golpe impetuoso do Jinchuuriki, aplicado de uma forma veloz. Os olhos do espadachim arregalavam ao ver o sangue jorrar no ar devido aos cortes... Sem dúvida, aquele combate já estava terminado...O espadachim estava pronto para dar o golpe final, contudo, hesitou um milésimo de segundo...Existiam sim razões concretas para finalizar aquele ninja ali, porém, não era esse tipo de indivíduo que Ashiro queria se tornar. Ele então rodopiou sua espada, num avanço rápido rasgou o tórax do ninja na diagonal de cima para baixo, da direita para a esquerda. Foi um corte eficaz o suficiente para dar o fim de vez ao combate ali mesmo, porém, foi um golpe ressentindo de mágoas e dores que o espadachim ainda carregava consigo, dores estas que ele não podia descontar violentamente nos demais, por isso, evitou aplicar um dano fatal. Ele não podia vacilar, dosava a sua força adequadamente para conseguir tal feito, deixando o homem inconsciente, mas ainda com vida... Após, recolheu sua arma de volta na bainha... — Pronto...Eu vou carregar o corpo dele... — Afirmou Ashiro, enquanto respirava para retomar o fôlego.

— Carregue o do outro. — Imediatamente retrucou Hakuro em sincronia com um movimento ligeiro de arma. Sua espada desdobrou-se no ar e rumou o pescoço do ANBU Ne inconsciente, visando exterminá-lo de uma vez por todas - aliados de Masayoshi não deveriam permanecer vivos, ainda mais alguém com a capacidade de controlar seus oponentes, uma habilidade um tanto quanto útil que certamente faria falta para o líder atual da ANBU. A raposa, se desimpedida, sequer pararia para analisar o estado do corpo após dilacerá-lo. Viraria-se imediatamente para caminhar embora, seguindo até Hirei: seu novo companheiro.

O espadachim encarava o corpo caído daquele homem...Ashiro iria evitar a morte deste, por que se permitisse tal ato estaria indo contra todos seus princípios e valores...As armas shinobis e os potenciais de um ninja para determinada função não deveriam ser os elementos mais valorizados neste mundo, mas, infelizmente, Ashiro sabia melhor do que ninguém que essa realidade não iria mudar tão fácil, primeiro, tinha que começar por ele mesmo.  — Não!  — Respondeu instantaneamente, e em mesma velocidade sacou a arma, num movimento ágil e preciso para bloquear a tempo a lâmina mortal do Jinchuuriki.  — Não há necessidade de matá-lo. — Respondeu o espadachim com uma fagulha em seus olhos, algo como se ele fosse proteger a vida daquele ninja, já que isso seria a mesma coisa que proteger suas mais importantes índoles e princípios.

Ashiro era um exímio espadachim. Hakuro também tinha grande habilidade, mas Ashiro era superior, e com sua agilidade e técnica conseguiu bloquear o ataque, impedindo que o Anbu derrotado fosse morto. Pela segunda vez, os dois pareciam prestes a entrar em embate, e dessa vez nem Jouichirou nem Chiharu estavam ali para impedir. Entretanto, coincidência ou não, eis que surge justamente a Senju, saindo do leste por trás de um aglomerado de rochas. Mas sua aparição não foi providencial e restritiva como da primeira vez. Ainda que quisesse, a moça não conseguiria fazer isso. Estava ferida, e muito. As roupas rasgadas, e em boa parte sujas de sangue, assim como sua pele. O olho direito estava totalmente fechado, e ainda mancava, com a pão esquerda pressionada sobre o braço direito para tentar estancar um sangramento. Ao ver Hakuro, pareceu sorrir, mas logo caiu ao chão, sozinha. Fora a kunoichi, não havia qualquer sinal da equipe que deveria estar com ela, e que deveria ter ajudado Ashiro e Hakuro contra a Anbu Ne.

— Se deixar esse seu aliado traste vivo acarretar em qualquer problema, você morre. — Foi tudo que Hakuro disse antes da aparição de Chiharu, que inteiramente o desfocou daquela situação. O estado da menina - muito mais querida para o Jinchuuriki do que ele mesmo poderia admitir - o fez arregalar os olhos de forma que sua íris avermelhada brilhou na noite. Seu corpo imediatamente se moveu de encontro ao dela, ágil e veloz, tentando pegá-la antes que pudesse tocar o chão. Quando a alcançou, virou a menina imediatamente e pôs a mão em seu rosto, dando pequenos e leves tapas afim de tentar acordá-la: — Oi... Chiharu! Ôi ! O que aconteceu !? Acorda! — Nervoso, o Sarutobi removeu da perna uma kunai que usou para cortar parte de seu kimono. Com o pano, enfaixou a ferida da menina e tratou de logo pô-la sobre os ombros, não tendo intenções de perder tempo: — Vou levá-la de volta! — Foi tudo que disse, apressado, e imediatamente pulou num salto rápido e longo que o removeu de vista. Pretendia levá-la para receber cuidados o quanto antes.

Hirei observava todo o decorrer da cena sem expressar nada, limitando-se à sua comum análise dos eventos ao seu redor. Era mais do que podia entender, visto que pouco conhecia das pessoas ali presentes. Sem opções, deveria seguir Hakuro e retornar. Antes que o fizesse, entretanto, caminhou para perto de Ashiro, enquanto apresentou-se rapidamente: — Prazer, sou Hirei, faço parte da Anbu há pouco tempo. — E, quase que simultaneamente, partiu em passos rápidos logo atrás do Jinchuuriki, seguindo-o. Pelas palavras do mesmo, não era difícil de se imaginar para onde iria, caso não o conseguisse alcançar. Enquanto avançava, olhava vez ou outra pra trás, para confirmar se o restante Anbu seguiria os dois, como esperado.

O espadachim conseguiu defender a vida daquele ninja, algo que significava que ainda havia alguma forma de Ashiro se encontrar novamente...Ele suspirou após a fútil ameaça do Sarutobi, guardou sua arma novamente na bainha, então, se abaixou para colocar aquele homem ferido em seus ombros. Ajeitou-se e então ficou de prontidão para seguir caminho de volta para o esconderijo em questão. Ashiro então surpreendeu-se com a aparição daquele desconhecido. Olhou para este e então respondeu.  — Oh...Olá. Sou Ashiro... — Respondeu o espadachim de maneira curta e simples. Ashiro não estava em posição para iniciar uma conversa amigável, assim como iniciar uma conversa qualquer. Sua mente ainda estava presa aos fatos que ocorreram, agora, somados com a situação de Karin, esta que para alegria do jovem, estava bem. Ele então iniciou a corrida, carregando aquele homens nos ombros de maneira a acompanhar a velocidade imposta pelo o Jinchuuriki.

(...)

Hakuro nunca tinha corrido tão rápido em toda sua vida. A cada passo e salto dado, exigia mais e mais de seu corpo. Superava o ar rarefeito, o cansaço da última luta, os ferimentos conseguidos na mesma. Tudo isso era pequeno perante a chance de perder Chiharu. E da mesma forma que correu, sem frenar, adentrou o esconderijo como um trovão. Chiharu havia de ser salva
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://naruto.sistemad8.com
Fësant
Administrador
Administrador
avatar

Mensagens : 1668
Data de inscrição : 23/06/2009
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Episódio 31 | Nova Espionagem   Sab 27 Ago 2016, 12:54


Encerramento



Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://naruto.sistemad8.com
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Episódio 31 | Nova Espionagem   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Episódio 31 | Nova Espionagem
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Abertura da nova Loja de Armas - Promoção de 50%
» Aberta a nova temporada de roubalheira!!!
» [3DS] Pokémon X & Y - A nova geração!
» Nova Barra De Hp, Mp, Exp. 2.0
» Templo de Ashur (Loja Maçônica de Nova York)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Naruto: Shinobi no Sho - Sistema D8 de RPG :: Naruto RPG Online :: Episódios :: 2ª Temporada: Folha e Pedra-
Ir para: